Cuarteto de nos/Madeline e Morrisay – um pouco, bem pouquinho, bêbado

Não teve jeito. Não bebi muito. Não vou beber nas próximas semanas – hoje foi um até logo à bebida. Fui no Cuarteto de Nos por trinta mangos. Puta show. Era a primeira vez dos caras no Brasil (se é que isso aqui é Brasil pra eles) e eu conheço a banda desde quando eu tinha oito anos e troquei Skank e Titãs pelo rock uruguaio e argentino. Eu conheci Nada me da satisfacción antes de Satisfaction, me emocienei na porra do show. Gosto das letras deles (escuela Sabinera!). Agora eu tenho que beber pouco (ou nada, ou somente de graça) nas próximas semanas, e juntar o máximo que posso pra ver se consigo ir pro Cosquín Rock. Não tocar no dinheiro que entra semana que vem do trampo – a não ser o destinado aos meus credores. Eu respeito essas coisas. Nada de livros, cds, dvds e revistas. Alguém quer ir pro Cosquín Rock? Ou eu vou ter que subir à Córdoba solito? Nada que me preocupe. Quanto ao resto, dormir com canciones uruguaias na cabeça, com os gols da pelada que o Inter ganhou de vareio dum time de interior no gauchão, com os gols que o Liverpool (do Uruguai) fez no Grêmio ao empatar um jogo no memorável Centenario e com o último episódio de Californication. No mais, espero os Coen no cinema, espero acabar um texto e um conto que já tô devendo.

(umas semanas atrás levei um gato pra ser castrado, o gato nem era meu, e ainda me sinto um pouco cupado)
Madeline gosta de beber vinho branco no verão e eu até que a acompanhei com um copo ou dois. Desisti logo em seguida e me estirei no sofá. Ela guardou a bebida na geladeira. Eram duas horas da tarde e eu tinha trabalhado só no turno da manhã.

O que tu vai fazer? ela perguntou.

É tão bom ter uma tarde, acho que não vou fazer porra nenhuma.

Eu vou levar meu gatinho no veterinário.

Não me parece doente.

Ele vai ser castrado – ela disse em voz baixa como se o bichano fosse escutar.

Por que diabos tu vai fazer uma coisa dessas?

Ah não, Bandido, não vem colocar mais culpa em cima de mim. Eu já tô péssima porque vou fazer isso, sabe? Me sinto como se tivesse tirando algo dele.

Tu tá tirando algo dele. Tu tá tirando a porra do sexo dele.

E o que eu vou fazer? Ele despeja os jatos de mijo por tudo e arruma briga com gatos do vizinho.

Eu também tô sempre arrumando encrenca nos bares e mijando bêbado por aí e não é por isso que tu vai cortar o meu pau.

Eu meio que gosto do teu pau, ela disse e eu fiquei quieto. Eu sabia que aquilo era um tremendo egoísmo. Eu sentia pena da porra do gato que jamais foderia em suas pobres sete vidas ou coisa do tipo. Lembrei do seu nome. Morrisey. Madeline é fã da porra dos Smith. Tudo bem dar o mesmo nome, mas transformá-lo em um ser assexuado é ultrapassar os limites de uma homenagem.

Do que tu tá rindo?

De nada.

Tu ficou bravo?

Não.

Bem, se o Morrisey não for castrado, vou ter que largar ele na rua porque ele tá acabando coa minha casa. Esses bichos se reproduzem tão rápido que logo teriam milhares de gatos soltos passando fome pelas ruas. E, fora isso, animais não fazem sexo por prazer, é só o instinto de reprodução, ela concluiu um tanto quanto esbaforida e, por todos os argumentos colhidos,  também parecia sentir pena do bicho. Agora, só uma coisa, animais não trepam por prazer? Não sei não, já vi muito cachorro trepando árvores por aí. Mesmo assim resolvi não falar mais nada sobre o assunto. Quando criança, meu pai queria castrar uma cruza de pastor alemão com vira lata que a gente tinha e eu e minha mãe não permitimos. Ele viveu dezesseis anos e transou cadelas até os quinze e era um bom companheiro. Espero que tenha sido um cão satisfeito. Eu pensava no meu cão enquanto caminhava com Madeline e Morrisey até a veterinária. Ela ia gastar uma boa de uma prata na castração e, enquanto entrou no banco pra tirar um dinheiro, deixou o gato aos meus cuidados. Segurei-o no colo e olhei praquels olhos tristes e implacáveis de felino. É amigo, tu devia ter direito a uma última noite de festa. Coloquei o bichano no chão e, pra dizer a verdade, eu pensei que seria bom se Morrisey fugisse e se seu nome fosse Morrison ou Luciano Gemma, algo assim. Não é como as coisas são. O gato apenas se enroscou nos meus pés e arranhou minhas pernas, peguei-o no colo de novo e esperei que Madeline voltasse.

Ela quis acompanhá-lo durante a cirurgia, eu tinha uma tarde livre e fui para o meu apartamento assistir algum velho filme qualquer. No outro dia trabalhei nos dois turnos e fui beber com o pessoal em um bar, depois disso. Falei sobre a castração do Morrisey. Todos tinham uma história para contar sobre como gatos são amáveis e menos bagunceiros depois de castrados. Fingi que dava importância até não conseguir mais e apenas continuar esvaziando a bebida de copos e mais copos. Era um bar cheio de gente e eu fiquei bêbado e arrumei confusão com alguns caras, mas não houve briga. Decidi que era hora de ir embora e fui para casa de Madeline. Ela é do tipo que guarda uma chave reserva embaixo do vaso de plantas. Entrei na casa, caminhei com passos furtivos até o seu quarto e Morrisey dormia com ela, e parecia estar em paz. Vomitei no banheiro. Fui à cozinha e peguei um pouco do vinho branco na geladeira. Tomei sozinho no escuro e depois vomitei ele no banheiro de novo. Alguns pingos respingaram fora do vaso e lavei tudo por um tempo até decidir me deitar no sofá. Não demorei a dormir.

Anúncios

4 Respostas to “Cuarteto de nos/Madeline e Morrisay – um pouco, bem pouquinho, bêbado”

  1. Adriana Brunstein Says:

    Eu sei lá, meu cachorro tem 12 anos, não é castrado, e tenta trepar comigo sempre que falo ao telefone, como se estivesse atuando em Short Cuts. E mijo de gato é foda, mesmo se ele se chamasse Sid.

  2. Pellegrino Says:

    12 anos e tenta trepar? hahaha, esse aí é a versão canina do Michael Douglas. O meu com essa idade só pensava em dormir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: