poema

ando sem saco pra escrever por aqui.

mas aí vai um poema fudido da camila fraga. gosto desse tipo de poesia:

Prisões

Ele me falava sobre
estupro enquanto
olhava pras minhas
pernas.
Disse que havia
estuprado uma garota quando era
mais jovem
e tinha ido em cana
por isso.
Ele esperou alguma reação minha
mas eu só
acendi mais um cigarro
e disse
“ok”.
“Quando cheguei na cela
e me viram, disseram:
– Ah, tu é bonito
não foi um estupro.
Isso me deixou bem
puto
eu queria que arrebentassem a
minha cara
até eu
morrer”
Eu continuei quieta
olhando a fumaça do
cigarro
subindo devagar
como uma serpente
doente
no cio
Ele ainda olhava minhas
pernas
fazia muito tempo que
eu estava sozinha
eu me sentia em
cana
pedi um whisky
e perguntei:
“Quando vamos pra sua
casa?”.

Anúncios

2 Respostas to “poema”

  1. felipe blanco Says:

    tem uma menina
    que cortou o cabelo a lá keith richards
    que anda aplicando riffs violentos na esquina do meu baço

    eu perguntei
    “ei menina,
    que cabelo é esse?”

    ela ignorou e continuou preparando sua dose de novalgina com elixir paregorico

    ela parece não estar presente a maior parte do tempo

    tenho a paz da solidão e um buraco quente pra me enfiar

    curte um roque, a guria essa

    mas foi ouvindo mozart outro dia que me olhou nos olhos a primeira vez:

    “dá pra tirar essa merda?”

    é, …

    a gente se ama

  2. vadinho Says:

    puxa vida
    é muita lombra para essa idade novalgina com elixir paregorico

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: