bataille baby


Tem eu sozinho como sempre. Tem eu fisicamente só mais uma vez. Tem essas coisas que sempre dão errado. E ela sabe que eu sei disso – mas não vou ficar enchendo o saco. Na hora que a bomba explodiu eu só quis servir um copo de água e outro de whisky pra quando ela se destrancasse do quarto e voltasse pra sala chorando. Ela foi direto pra geladeira, apontei pra mesa como quem diz Já tá tudo aí em cima, escolha suas armas! e, pro meu orgulho, ela ficou com o caubói. O fato é que foi só mais uma certeza de que eu escolhi a pessoa certa pra deixar invadir minha insanidade e tristeza. Ela não precisaria gostar do cd do Sabina com Fito Paez que eu coloquei pra tocar, mas se não gostasse, eu entenderia tudo muito mais fácil quando nossas próprias bombas começassem a estourar. Por enquanto, apenas as dela. E eu não posso fazer nada a não ser possibilitar um copo na sua mão, o meu jeito desastrado de fuder, ou nossas próprias putarias excitantes e doentes embaixo do chuveiro. Ela tem essa adição de doença em cima do tesão, uma espécie de adição comum pra quem leu História do Olho na puberdade. O mundo seria um lugar mais bacana se as menininhas lessem esse libreto do Bataille ao invés da Saga Crepúsculo durante suas explosões hormonais. O meu mundo fica melhor com ela de pernas abertas e vestida com minha camiseta do Charles Bronson no meio de uma noite maldita.
Horas antes, depois de optar pelo whisky, ela foi direto pro computador e escreveu feito um demônio ligeiro – ela escreve rápido, ótimos poemas em cinco minutos, coisas assim. Eu olho pra isso e entendo que todo o papo furado de escritores que dizem que escrevem por uma necessidade intrínseca ou sei lá às vezes pode ser verdade. Com ela é. E ela nem precisa usar o papo furado, apenas sentar e agir como esse anjo caído maluco de olhos em chamas e doçura desconcertante. Ela brigou com Deus, mas aposto que ele nem lembra os motivos – o desgraçado devia tá bêbado, e agora é tudo postura boba entre inimigos íntimos. E aí uns dias passam e mais bombas explodem e eu me pergunto quantas histórias de aeroporto ainda vou ter pra contar. Sua bunda na fila de embarque. Ela olha pra trás pra ver se eu ainda tô olhando e eu tô e então lhe mostro o dedo do meio na frente do meu sorriso mais torto. Ela ri um pouco. Vira de novo. Desvira. E eu vou embora enfrentando os ônibus com um livro roubado do Hunter Thompson como companhia. Sigo meio tranquilo caminhando vazio pelo vento que começa a chegar no outono da cidade. Tem esse sol que não aquece direito. Tem a cozinha sem comida, sem ela cozinhando enquanto dança Wild Horses. Tem esse emprego de muamba ilegal em que você entrou só pra pagar um aborto, mas ele se mostrou tão vagabundamente eficaz que você vai seguir na onda até conseguir beber, comer hot dogs, ler a edição da Vertigo mensal e juntar uma grana pra cair fora. Mas tudo que vem fácil vai fácil para um fora da lei sem empenho. E isso que eu nunca me senti um fora da lei. E isso que eu nunca aprendi o que é diversão.

Anúncios

14 Respostas to “bataille baby”

  1. Camila Fraga Says:

    fisicamente só mais uma vez.

  2. adriana godoy Says:

    Bandido, que texto mais delicioso, embora a cozinha vazia.
    Tava com saudade de te ler.

    Beijo

  3. dribruns Says:

    tem um ensaio do bataille sobre o suplício de um chinês sendo dilacerado vivo mas que mantém o tempo todo uma expressão de êxtase. é meio o que você faz com quem te lê.

  4. Ademar Says:

    Bom texto, bandido.

  5. Fernanda Says:

    Bruno, o show foi tão ruim. Preferia ter ido beber. Em duas semanas vou pra capital de novo… Beijo.

  6. ecatroli Says:

    Excelente, Bruno.

  7. Cláudio Souza Jr. Says:

    Seria mesmo um lugar muito melhor… Eu evitaria a raiva de ter que trocar ideia com umas malucas daqui… Esse foi demais… Um abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: