o que tu quer? há um milhão de maneiras de pagar o aluguel, de não pagar só há uma. você nasceu errada mesmo, com esses chapéus de brujeria e o grimório de São Cipriano. quando te conheci, num mercadinho de Nova Petrópolis, tu tentava roubar Catuaba e fazia pouco caso de tudo – até a tormenta chegar. agora ninguém vai te dar abrigo. a advogada me disse que só saio daqui com cinquenta e quatro. quando teu pai bateu na nossa casa, finalmente carente, tu me implorou pra fazer ele ir embora. talvez eu possa ter me empolgado, ele não vai voltar tão cedo nem ser achado tão fácil. o pior é que ele parecia um velho legal. há um milhão de maneiras de pagar o aluguel e tenho certeza que ele não te ensinou nenhuma. nem eu. quando tá frio aqui, me arrependo por isso, ou lembro das tuas histórias sobre a bruxa de évora. Nanaime era o nome dela e às vezes acho que é o teu, a própria bruxa de évora. na noite que os caras me pegaram, antes de eu fazer qualquer coisa, um mendigo me parou na rua e disse o teu nome, depois ele ficou puxando o brinco da própria orelha até o lóbulo rasgar. o sangue escorreu na calçada, ele seguiu olhando pra mim e dizendo Lívia. mas pode ter sido só algo que eu sonhei. eu sonho muito aqui dentro.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: