Poema nº 65

Vingança

Que ela lembre, também fui amante com a força de mil cavalos
aposentei bandaids, escutei bobagens
Que ela saiba, se Brutus fez concessões, outro faz,
não há o que admirar
Que mergulhe o mar das promessas e só encontre espelho
A culpa não é de Brutus – ela e o tempo nos jardins
ao balanço de pneu
Vingança é um último grito de perdão
vingança é como cantar Hosana nas alturas
sábios são silenciosos ao receber facadas

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: